03 janeiro, 2012

Fuja aos impostos de Janeiro a Janeiro

Eu gostava do Pingo Doce. Apesar de ser dos supermercados que mais produtos importa, e de ter uma música super irritante que toca incessantemente mesmo quando já estamos dentro do Pingo Doce (não vá o cliente lembrar-se, a meio das compras, que afinal quer ir ao Continente), eu gostava de lá ir.

Até que o presidente não executivo da Jerónimo Martins achou que os parolos dos consumidores do Pingo Doce e do Recheio devem ficar num país em crise a pagar impostos extraordinários sozinhos. Vai daí e transfere da Sociedade Francisco Manuel dos Santos (maior accionista da Jerónimo Martins) , 56% do capital para uma sociedade holandesa. E como se chama essa sociedade holandesa, com sede em Amesterdão?  "Sociedade Francisco Manuel dos Santos BV". Ele há com cada coincidência.
É que nem se deram ao trabalho de lhe chamar, sei lá, Francisco Manuel van der Santos Society. É mesmo às claras.

Mas porque se haviam de esconder? A maioria das empresas cotadas na bolsa portuguesa PSI-20 já fez o mesmo. De acordo com Francisco Louçã, das 20, 19 estão lá.
E não adianta boicotar o Pingo Doce e ir ao Continente. A Sonae já fez o mesmo há muito tempo.

É bom sentir o amor dos empresários portugueses ao país onde se ergueram e construíram a sua riqueza. Um aplauso para estes empreendedores (e para o trabalhador Amorim).
É perfeitamente justo que as empresas procurem mais lucros e se aproveitem de uma União Europeia tansa que cria uma moeda única sem uniformização fiscal?
Depende.
Acho uma tremenda filha da putice (esta é a unica situação em que gosto de citar Avelino Ferreira Torres) que alguns dos homens mais ricos de Portugal, que acumulam milhões todos os anos, abandonem o país para pagar menos impostos, deixando aqui os tansos dos compatriotas a aguentar com tudo. É que nem sequer se mostram gratos com o facto de as medidas de austeridade deste governo os protegerem tanto, sobrecarregando os mais pobres (ler esta notícia). Não compreendo. Acho desleal, baixo, nojento. O mundo está perdido. Declarem já a falência moral.


E por falar em falência moral, alguns dados sobre Francisco Manuel dos Santos:

Em 2000, pela prestação de serviços relevantes a Portugal, no país e no estrangeiro, Alexandre Soares dos Santos é distinguido com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique. E, seis anos mais tarde, em reconhecimento dos seus actos em favor da colectividade, é agraciado com a Grã-Cruz da Ordem do Mérito.

Em 2009, anunciou a criação da Fundação Francisco Manuel dos Santos, nome do seu avô materno, que procura colocar à disposição de todos os cidadãos a mais vasta informação disponível sobre Portugal com vista a promover uma sociedade consciente dos seus direitos e dos seus deveres, que assume as suas responsabilidades e que escolhe em consciência e em liberdade.



Ora essa, a honra foi toda nossa.

4 comentários:

Cirrus disse...

Brilhante, Sara, brilhante!

João disse...

Gostei do teu texto. :)

Apenas para acrescentar que esta medida até foi tardia, aos olhos dos empresários e só foi utilizada para gerar uma maior margem de lucro cá. Porque 70% do financiamento do Pingo Doce já vem da Polónia há algum tempo.

De resto, gostei bastante. :)

Sara non c'e disse...

Obrigada :)

Uma sugestão engraçada, via facebook: "Salário Mínimo holandês para os trabalhadores do Pingo Doce já". https://www.facebook.com/pages/Sal%C3%A1rio-M%C3%ADnimo-holand%C3%AAs-para-os-trabalhadores-do-Pingo-Doce-j%C3%A1/300120626695653

ehehe

João disse...

Se eles começarem a auferir o salário mínimo holandês, vou já entregar a minha candidatura. :D