15 março, 2012

Shoe the shoeless

Numa altura em que um secretário de Estado se demite sob circunstâncias muito duvidosas, em que o rating da Grécia sobe sabe-se lá porquê, a Espanha se recusa a cumprir a meta do défice e Portugal é obrigado a cumprir tudo à risca, hoje venho aqui falar de um assunto muito importante: sapatilhas.

O tema é sensível logo desde o nome que escolhi para denominar aquela coisa que trazemos nos pés. Há quem lhes chame "ténis", confundindo calçado com desporto. Enfim, percalços da vida. Mas o que eu realmente vim cá hoje fazer foi perder tempo recordar as minhas Converse mais queridas (2006-2008. RIP).

As minhas primeiras all star dos tempos modernos (tive umas em criança, como qualquer petiz de final dos anos 80 /início dos anos 90) acompanharam-me durante ano e meio... Estiveram comigo em duas Queimas das Fitas do Porto e uma de Aveiro (e sabe deus a provação que isso não é!), partilharam comigo a euforia de 3 concertos de Pearl Jam, acompanharam-me tantas vezes a Lisboa para belos festivais e concertos, foram comigo a Londres, a Dusseldorf e a Barcelona, moraram comigo 6 meses em Roma e partiram comigo à descoberta de Itália... Foi com elas que andei de Gôndola em Veneza, caramba, quão romântico pode isto ser?? Ainda choraram comigo o regresso a Portugal e, apesar do cansaço e da velhice, ainda conseguiram resistir ao frio de Estocolmo...

Só que a minha Queima das fitas de finalista, em 2008, foi uma provação demasiado grande para as minhas idosas Converse... e tiveram uma overdose no que ao calçado diz respeito.
Mas eu não ía conseguir livrar-me delas.. o meu amor por elas superava qualquer cheiro insuportável que elas pudessem libertar... Até que, na manhã (duas da tarde) pós noitada de Queima das Fitas, descubro que a minha mãe, a minha própria mãe, lhes tinha dado o golpe de misericórdia enquanto eu dormia...




Fui dar com elas no lixo. No lixo! As minhas companheiras, abandonadas assim numa lata de lixo. Oh, final inglório. A velhice é uma coisa muito triste, não haja dúvidas... Oh, a ingratidão... Ainda fui lá pegar nelas para lhes tirar este retrato e imortalizá-las. Ok, confesso que fui lá para ver se eram recuperáveis, se ainda haveria alguma coisa a fazer pelas minhas pequeninas, mas a minha mãe conseguiu colocar-me algum juízo na cabeça e eu compreendi que era o fim.

O facto de já ter umas novas no armário também ajudou a que essa compreensão acontecesse sem grandes birras. E para superar a dor imensa que estava a sentir, logo de seguida fui com as minhas novas all star para Braga ver Linda Martini...

É preciso começar a educar as all star logo desde pequeninas, não é?

4 comentários:

João disse...

Aquele buraco na parte de trás, deve de ser comum a todas as sapatilhas converse. xD

Navajovsky disse...

Que menina, as minhas chegam a estados bem piores (mesmo) antes que admite que a minha mãe lhes mande as unhas.

Sahaisis disse...

e assim mesmo é que é. Linda Martini é demais ;)

Sara non c'e disse...

Hoje descobri que as minhas actuais All Star preferidas também já têm um buraco na parte de trás... :(