01 dezembro, 2010

"Estuda meu filho, estuda senão o call center não te emprega!"

Com uma semana de atraso, como já é meu apanágio, mas aqui fica um artigo que saiu no Público a 24 de Novembro, dia da greve geral.

"Nunca houve tantos licenciados em Portugal. E nunca foi tão difícil para os jovens encontrar emprego. As centrais sindicais dizem que a greve geral também é feita em nome desta geração que se pode perder, entre a precariedade e o apelo da emigração. Num cenário de "défice democrático" no mundo laboral, os melhores são os que arriscam sair do país."

"A taxa de desemprego entre os jovens mais do que duplica o índice geral. Entre os que arranjam emprego, só cerca de um terço escapa à regra dos contratos a termo, recibos verdes e outras formas de precariedade. Um em cada dez licenciados abandona o país. É o retrato de uma geração sem saída".

Sendo Portugal um país com baixa qualificação académica da sua força de trabalho - e tendo em conta a importância da formação num mundo cada vez mais competitivo -, o número crescente de licenciados a saírem das universidades deveria ser uma boa notícia. Mas não é. No actual cenário de crise, os jovens são os mais prejudicados pela extinção de postos de trabalho e, entre eles, os que investiram na formação académica são exactamente os que se deparam com mais portas fechadas. (...)

Com poucos (e maus) empregos à sua espera, não espanta que muitos jovens optem por deixar o país. O fluxo da emigração atingiu nesta década valores só comparáveis aos do êxodo dos anos 60 do século passado e os números só baixaram nos últimos dois anos porque a crise também se faz sentir lá fora".(...)
[sim, há a globalização, mas a falta de oportunidades do país é notória].

(...) "Em Portugal, não", analisa Rui Pena Pires. Ou seja, neste momento, Portugal é um exportador de cérebros. Alguns saem porque as suas carreiras (na investigação científica ou em multinacionais, por exemplo) apontam nessa direcção. A maior parte sai porque não tem perspectivas de futuro."

3 comentários:

Luna Tic disse...

e a situação não deverá melhorar, a fazerem-se cortes em vez de se empregar tanta gente jovem, competente e com vontade de ir embora.

vontade não me falta, não -.-'

beijinho pra ti*

Cirrus disse...

E é triste, prontes! Além do mais, ficamos sempre com os velhos que fod... esta m... toda cá dentro!

Sara non c'e disse...

Troca-se jovens licenciados emigrantes por políticos barrigudos, incompetentes e acomodados!