12 janeiro, 2010

Odeio pessoas

Isto é simplesmente estúpido. Eu também sou uma pessoa. Mas espera... não raras vezes, também me odeio...
afinal não é nada estúpido, eu odeio mesmo pessoas.

Mas é só às vezes.
Quando me empurram na fila do autocarro para entrarem primeiro (idosos). Por acaso há alguma parte do autocarro que chegue primeiro ao destino e que eu desconheça? Se sim, faça favor de entrar, que alguns reformados têm mais pressa que os outros cidadãos. Os jovens hoje em dia ainda cedem os seus lugares às pessoas de cabelos brancos, então por que me empurram? Velhinhas que pintam o cabelo não deviam ter direito a lugar, que isto da eterna juventude também tem os seus senãos, para o caso de já se terem esquecido.
Odeio ir no passeio e ter de ser quase sempre eu a desviar-me da pessoa que vem em sentido contrário. Já pensei várias vezes: "não me vou desviar, não me vou desviar, porquê tudo eu?!". E lá me desvio. E lá vou eu para a rua, para sua alteza não alterar o seu trajecto real. Já basta os velhinhos a empurrarem-me na fila do autocarro, e eu gosto pouco de ser tocada por pessoas que não conheço.
Shoppings ao Domingo. É o meu lado masoquista a falar mais alto. Ir a um shopping num domingo é conjugar mil filas de autocarros com pessoas que não se desviam. Já fiz o teste de ficar simplesmente parada numa loja, e mesmo assim as pessoas parecem desconhecer o conceito "espaço". As mulheres também deviam andar com carteiras mais pequenas, algumas das cacetadas que apanho deveriam contar como atropelamento. Já disse que odeio ser tocada por pessoas que não conheço?
Odeio gunas (mitras, em lisbonês) que põem música alta em locais públicos. Sobretudo porque a música é sempre abaixo de má. Deve ser coincidência, a falta de gosto no que concerne ao comportamento, e a falta de gosto musical... Caros ranhosos, o facto de porem kizomba ou as Las Ketchup para todo o autocarro ouvir não vos garante prestígio social. Eu sei que dentro das vossas mentezinhas inhas nhas vocês acham que toda a gente está a pensar o quão crazy bad mother fuckers com gosto musical bué fixe vocês são. Tentar explicar-vos que não era perder tempo. E ao ler este texto recheado de coisa nenhuma acho que dá para perceber o quão bem eu ocupo o meu precioso tempo.

Não sei se é bem odiar pessoas. Odeio as pessoas em sociedade. É isso. Só não me empurrem, nem me toquem, que eu sou filha única e gosto do meu espaço.

11 comentários:

Cirrus disse...

Porque não pões os cotovelos a trabalhar??

Sara non c'e disse...

Ehehehe sou contra a violência :-)

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Concordo com tudo, menos com "os jovens ainda cedem os lugares ás pessoas de cabelos brancos". Tenho visto cada cena no metro, que nem imagina! Por vezes, sou eu a levantar-me, para dar lugar a essas pessoas, perante o ar impasível do jovem qu vai à minha frente.
Aliás, um dia que isso realmente se verificou, dei por mim a escrever um post para anunciar a boa nova...

Sara non c'e disse...

Carlos, quanto mais não seja levanto-me eu, mas por acaso tenho visto mais ou menos sempre isso acontecer. Pronto, não espero que o jovem que põe a sua música a incomodar toda a gente o faça, mas regra geral quando alguém que aparente ter muita idade e que tenha dificuldades entra no autocarro, não fica sem lugar. Senão eu já tinha escrito um post a resmungar também com isso :-)

elsadossantos disse...

aqui as pessoas ainda se vão desviando. em paris dás por ti a fazer posições à-matrix porque as pessoas nem o jeitinho dão!

não é por seres filha única que gostas de ter o teu espaço. eu não sou e durmo numa cama de casal. :P

gunas a dar música no metro são como grilos: simplesmente não dá pa mandar calar.

*

kithara.azul disse...

É interessante ver alguém a pôr em palavras o que me atravessa a mente! Com simplicidade e clareza... Gostei.

Anónimo disse...

incrivel como ha alguem que me compreende : )
e as pessoas idiotas que têm a mania de bater nos vidros dos autocarros para ver se o outro lá de fora o vê ou ouve... odeio a sociedade

Sara non c'e disse...

E as pessoas que culpam o mundo por não terem conseguido um bilhete para o optimus alive.. que filhas da coisa são aquela escumalha de miúdas que tiveram o desplante de... comprar o bilhete a tempo. E pessoas de 1,80m que chegam tarde a um concerto e se plantam exactamente à frente aqui da menina que tem 1,56m e chegou cedo precisamente para ver alguma coisa para o palco? E quando eu me levanto mais cedo no comboio para ir para a beira da porta e ser a 1ª a sair, ainda que tenha de fazer equilibrismo, e quem se levanta quando o comboio está a parar e me empurra para sair em primeiro lugar?

Odeio a sociedade. Com todo o meu ódio.

Pedro disse...

Wow...como eu te percebo...Até dei por mim à procura da frase "odeio pessoas" no google.
Porque raio é que as pessoas têm de ser tão...pessoas?
E nem me fales de gente a meter música que parece que foi composta por surdos sobre efeitos de drogas, aos altos berros. Vivo num prédio, e de manhã, o anormal de cima consegue sempre meter músicas desse género, e com batidas, coisa que não deixa ninguém dormir. Outra coisa que eu odeio é gente insistente. Epá...se eu digo: "Não, não me apetece ir ao local X na hora X", porque é que as pessoas hão de insistir? Ai e os telemóveis...que raiva. Uma pessoa querer estar sozinha e este não parar de tocar. Hoje dei por mim quase a joga-lo à parede -.-'
Enfim...Parece que não fui talhado para viver em sociedade, ou então é maior parte do resto da outra gente que está errada, mas a cada dia que passa, mais penso no título deste tópico. "Odeio pessoas".

Anónimo disse...

Finalmeeeeenteee !
alguém que percebe como me sinto todos os diaS !

Anónimo disse...

Sara devias criar uma nova sociedade para irmos para lá... Parabéns por descreveres o que muitos pensamos, mas que preferimos não dizer de forma a não parecer mal