06 março, 2009

Façam a vontade ao Tozé a ver se ele se cala. Ou não.

"O produtor musical Tózé Brito considera necessário que o Governo faça um acordo com as operadoras de telecomunicações portuguesas para cortar o acesso à Internet a quem descarregue músicas ilegalmente.

Tózé Brito lembra que, "através do número de identificação do computador, as operadoras de telecomunicações sabem quem faz "downloads" ilegais, podendo, por isso, cortar-lhe o acesso à Internet, e avisar as autoridades para que o computador seja apreendido".

"Quando isso começar a suceder as pessoas pensam duas ou três vezes antes de fazerem `downloads` ilegais", sublinhou, frisando que, embora a repressão judicial não seja o melhor caminho, "a prisão de meia dúzia de pessoas que agem ilegalmente, de forma sistemática, também teria efeitos positivos".

Em sua opinião, além das medidas legais e de tipo repressivo, as autoridades e os operadores devem fazer uma campanha de sensibilização da juventude, alertando-a para o facto de que "roubar uma música é igual a roubar um carro"."



Primeira nota: Tozé Brito voltou a confundir os comprimidos que tinha de tomar. Cuidado que não é só a sua saúde que fica prejudicada, a sua credibilidade (?) também...

Isto de se ser tão linear e radical tem que se lhe diga. Muito até! Mas não vou perder muito tempo com uma troca qualquer de medicação e vou deixar só uma ou duas ideias (fracas, como é hábito neste blog).


Os pobres artistas se calhar deviam tirar o acomodado rabo da cadeira e fazer pela vida. Não vos quero estragar a surpresa mas há uma coisa que se chama Evolução. Quem se sabe adaptar tem sucesso, quem não se adapta fica a mandar postas para o ar como o nosso amigo Tozé. Esqueçam o nosso amigo dos medicamentos trocados e mexam-se!

Eu não sou artista. Aliás, à luz da realidade, eu sou só uma pessoa que manda postas num blog. Mas depois também sou, acima de tudo, uma amante de música. Daquelas que ainda compram CDs e tudo! E podemos começar por aí: considerar baixar o preço daquele 'cêdêzinho' que vem dentro daquela caixinha de plástico e que contém um bookletzinho com letras de músicas e uma ou outra foto seria uma opção inteligente. É que pagar em média 15 euros por algo que vos sai tão barato é esticar um bocadinho a corda. E isso só leva a que eu vá ali descarregar o CD de borla. Temos pena, mas acreditem que, para quem não ganha um salário de artista, 15 euros é uma quantia considerável.

Mas a verdade é que nem todos os artistas têm rendimentos gordos. Contudo, quantos destes artistas não são um produto da própria internet? Se calhar o Tozé Brito esqueceu-se de perguntar a uma parcela dos artistas que supostamente defende se concordam com aquilo que alucin... que diz. Quantos e quantos músicos e bandas de qualidade não cresceram na internet, não vingaram pela qualidade, que se espalha de boca em boca, de download em download, e que depois resulta em contratos com editoras, merchandise, CDs comprados legalmente e concertos (aqueles com bilhetinho pago e tudo)?

Outro ponto ao qual queria chegar - os concertos. É impressão minha ou nos dias de hoje há montes de concertos e que mesmo havendo tantos ainda são pagos a preço de ouro? A meu ver, creio que será a forma de alguns artistas compensarem os grandes lucros que já não têm com a venda dos CDs (ou, se quiserem, com os downloads ilegais).

Caramba, querem-nos fazer acreditar que um artista vive da venda do CD? Querem fazer de nós parvos e fazerem-nos engolir que "roubar uma música é igual a roubar um carro"?!? Tenham mais respeito pela nossa inteligência. Tirem a internet a quem faz downloads ilegais e vejam se este boom da música não cai a pique! Vejam quantas bandas vão deixar de nascer porque quem as faz nascer não vai comprar CDs de tudo o que é banda que "até gostava de conhecer, mas não vou dar 15 euros por tudo o que me desperta curiosidade". E quantas boas bandas vão deixar de conseguir chegar mais além porque a internet se fechou.

Tenham dó.

Tozé, pá, vai ao médico...

6 comentários:

elsadossantos disse...

"à luz da realidade, eu sou só uma pessoa que manda postas num blog."

tenho dito! :P

de facto s n fossem as maravilhas das internets, a minha cultura estava num nível muito primário. n digo q s trata d uma "cultura gratuita" mas antes uma forma, tal como tu disseste de "experimentar a ver se vale a pena comprar o belo do cd". a verdade é mesmo esta, n sou nenhum "cristiano ronaldo", q palém d ganhar dinheiro como lixo só por andar a correr atrás duma bola, inda compra cd's duns artistas italianos manhosos q só d ouvir um bocadinho na entrevista dele com o daniel oliveira m meteu medo... eu tenho uns certos padrõezinhos, meu amigo! lá está a diferença. o rapaz só sabe aproveitar as internets pa andar a ver as gaijas boas e dp n s cultiva em condições... ai ai cristiano...

a evolução é outro ponto importante. raros são os casos de bandas/artistas portugueses q conseguiram acompanhá-la. e só pq o xôr tozé brito tem um site todo xpto, n me venha dizer q tb a acompanhou até pq a última vez q ouvi falar dele foi nos ídolos como jurí... e quê? os anjos também foram e não só têm um site todo xpto tb, como conseguiram ainda há bem pouco tempo dar mais pela música portuguesa com a banda sonora da telenovela "Vingança"! convenhamos, escrever letras em português é complicado pa caraças, mas eles até fazem um trabalho bonzinho.

mas há nomes q pa mim merecem vénia: clã e rui veloso (por exemplo).

já vi num ginásio: "n t keixes. cala-t e treina!" pois po xôr tozé brito fica a dica: "n t keixes. cala-t e evolui!"

*

O Analista disse...

TóZé é um homem de todas as mulheres e de mulher nenhuma.
Um dia, depois de terem feito amor, olhou bem fundo nos olhos da Conceição e emocionado perguntou:
- Queres dar o nó?
Ela, com os olhos molhados e sorriso parvo, acenou feliz que sim.
Então TóZé tirou o preservativo usado e disse:

- Toma!....

Pronúncia disse...

Para quem "manda postas num blog" está posta está muito boa.

Concordo contigo, quando a música é realmente boa, também compro o original.

Ao Tó Zé só uma coisita:
"Oh, filho! As tuas músicas, nem com downloads legais... não gosto!"

Tenho dito! :)

elsadossantos disse...

em resposta ao teu comment no meu post...

Sara:
“Alguém que não tem tempo para os pequenos prazeres da vida só pode ser uma pessoa azeda, triste e no fundo, frustrada.”

O Camposinhos não é, de todo, alguém frustrado. Basta dar-te o exemplo de um dia, num início de uma aula, ele ter-se refastelado de tal forma no cadeirão em frente ao quadro, que foi dar com ele no chão do auditório. E pensas que ele fez cara séria? Nah… Ele riu-se foi dele próprio e gozou com a situação! E ISTO é de alguém que está de bem com a vida. Alguém que conta piadas a meio das aulas, que manda berlaitadas como “o windows vista é cheio de paneleirices” e não passavamos uma só sessão com ele que ele não esboçasse um sorriso que fosse e o seu poderoso “balle?” Ele prefere esse bem-estar com os alunos (aqueles que ele entende, porque também sabe desprezar quem não lhe interessa…) do que andar a chumbá-los pelo prazer de poder que lhe eventualmente daria, como tantos outros “aspirantes a Camposinhos” fazem… Digo-te, vou ter saudades deste semestre com ele, apesar de tudo.
*

Sara non c'e disse...

Mas eu tinha percebido que ele, apesar de ser muito ocupado, tinha tempo para as pequenas coisas, como a fotografia, a piscina e tudo mais. Percebi mal? É que se sim ele não se encaixa no perfil de pessoa potencialmente azeda e frustrada que eu descrevi ;)

afectado disse...

A comparação com o roubo dos carros é estúpida. Tu tens um carro e eu não tenho. Eu roubo-te o carro... passo eu a ter e tu não. Tu tens uma música do TótóZé Brito e eu não tenho. Eu faço o download da música a partir do teu upload e AMBOS passamos a ter a música. Ou seja, faz mais por eles em termos de divulgação que qualquer campanha publicitária!

No estrangeiro já há bandas que autorizam nos sites oficiais o download das novas músicas mesmo antes de saírem nas lojas. Será que vivem debaixo da ponte? Não me parece...

Até porque o problema é mesmo de adaptação à nova realidade. Por exemplo eu não compro CD's à algum tempo e no entanto ouço música muitas vezes sem estar a cometer algum crime aos olhos da lei. Como? Uso o Last.fm que é totalmente legal... lá tenho a minha rádio, só com músicas que eu gosto! Ou será que o TótóZé também vai querer fazer do Last.fm que é legal em todo o mundo, algo ilegal em Portugal?